Seguidores

sábado, 17 de julho de 2010

Os Mendigos e a Espiritualidade


São almas, cujas mentes estão impregnadas pela recuperação de um carma optativo, e a função dessa missiva toda é a 'auto-expiação'. Estão envoltas na missão de recuperar as consciências, pois a consciência é o local que aloja o verdadeiro ser humano, sua personalidade e seu status.
Detentoras de um passado de excessos em todos os sentidos, os mendigos buscam uma existência de recuperação de sentimentos num projeto cármico que se estabelece pela escassês de tudo. Falta abrigo, falta carinho, falta o dinheiro, falta o pão na hora certa, vivem de cobertores de jornais, de esmolas, e experimentam o dissabor para, no futuro, voltarem a reconhecer o sabor da dignidade. Veja que não basta o perdão para uma alma, ela precisa do auto-perdão para curar sua chagas de consciência.
Gente que se deu a tarefa de comercializar a dignidade em vida anterior, hoje se desdobra implorando um mínimo de dignidade para todos os transeuntes que passam em seus caminhos. Avessos e alheios a tudo que lhes é oferecido para deixarem a vida da mendicância, essas pessoas parecem explorar ao máximo o desatino de suas jornadas, pois além de não concordarem com mudanças propostas, têm, na mente do espírito, a lucidez da saga que se propôs na faze pré encarnatória.
O mendigo recupera sua mente e sua personalidade quando observa, do seu prisma, os desdobramentos de uma vida composta de grandes limites e falsas liberdades. É uma alma que recomeça depois de já ter sido grande, materialmente falando. É uma disposição escolhida por aqueles que querem reparar males de uma vida passada, onde não conseguiram dar encaminhamento digno às coisas da fartura.
É o ostentador de outrora que tomara consciência, ao desencarnar, que a vida se desdobra eternamente e que Deus existe.


Marlon Santos

8 comentários:

  1. Marlon, duas coisas:
    - a primeira impressão que tive ao ler foi um desestímulo a ajudar pessoas que eu considere em situação de ajuda (pela justificativa que que foi o espírito que escolheu aquele tipo de vida que tem - por extensão, todos nós escolhemos o tipo de vida que estamos vivendo...
    - a segunda coisa que me chamou a atenção foi de que o mendigo recupera sua mente e sua personalidade quando OBSERVA, DO SEU PRISMA, as conseqüências... Pelo entorno da vida atual ele tem a lucidez necessária na mente para observar e perceber as condições precárias em que está vivendo e até de concluir que são falsas liberdades? Não consigo ver como o mendigo repara males de uma vida passada agindo assim.Para mim, ele repararia mais trabalhando, ajudando de algum modo quem não tem fartura.
    Gostaria que fales - escreva - mais sobre estas questões para que eu possa entender melhor.
    Elieti

    ResponderExcluir
  2. Oi Eliete! A primeira coisa é que, quanto a ajudar, essa é a sua parte e que nada tem a em ver com a questão do espírito dele.
    A segunda coisa,é que o drama se desenrola em função do grande carma adquirido por ele. O fato é que olhamos as coisas sempre e segundo a nossa viad que, quando não é mais simples, é rodeada de atividades mansas, sadias, oportunas, sóbrias, etc. Outro detalhe: Estou falando de mendicância e não de pobreza.
    Quanto ao grande carma quer ele possui, é bem diferente de carmas mais simplórios que nem o da maioria das pessoas. Estamos falando de gente que nem Hitler, Sereais killers de todos os perfis, genocidas, etc.
    De outra banda, todo mundo acha que reparar males é uma imposição de Deus, enquanto que, na verdade, é nós que impomos para nós mesmos, pois é uma questão de consciência. Veja que não basta o perdão do Pai maior para reparar um erro. Se assim fosse, bastaria ficar por aqui só fazendo maldades para os outros, diante da certeza que, ao desencarnarmos, seríamos perdoados.
    É verdade que muito se ganharia com eles ajudando uns ou outros, mas isso segundo nossa visão, e o que a gente sabe é na prática a situação é outra e a história mostra isso.
    Não escolhemos muita coisa antes de virmos para cá, não. Fazemos as coisas acontecer por aqui. Não esqueça que não dá para comparar uma coisa com a outra.

    ResponderExcluir
  3. Obrigada, Marlon, pelos esclarecimentos. Com certeza, lerei novamente a matéria e teu comentário para entender melhor: às vezes, na primeira, segunda leitura não conseguimos captar algum aspecto importante da mensagem.
    Além dos casos mais distantes, dos noticiários, tem uma senhora aqui onde moro que caminha com sacos cheio de coisas e pedindo na rua, mas a filha dela eu conheço, ainda que superficialmente, e que já verbalizou sua contrariedade pela situação (tem condições financeiras de dar o mínimo necessário, como dá, para sua mãe) e eu ficava pensando que a senhora tivesse um problema de falta de saúde mental, até porque uma vez contou-me que sua casa havia sido incendiada no passado. Perguntei para sua filha, que confirmou. Agora a leitura do texto que escreveste me leva a uma visão mais ampla. Elieti.

    ResponderExcluir
  4. As pessoas precisam entender que "aqui se faz, aqui se paga". Isso não quer dizer que seja a curto prazo... por isso perdemos, pelo esquecimento entre encarnações, a consciência do início, meio e fim. Mas, tudo tem volta...
    Temos que manter em mente sempre que "plantar é livre, mas colher é obrigatório"!! Nem que seja uma colheita para outra encarnação, ou, para toda a eternidade!
    12 5 12 beijos + 12 5 12 abraços para todos!

    ResponderExcluir
  5. Oi Marlon,parabenizar pelo seu excelente trabalho,e que siga assim,e nós aqui de Dom Pedrito estamos sempre ligados com você.ficamos muito felizes que você vai concorrer a deputado,conte com nós,estamos pronto para ajuda-lo para sai um vencedor.
    queria saber uma coisa premulição e mediuminade são a mesmas coisas?
    nos aviser quando vier em dom pedrito para nos encontrarmos.tchau
    um grande abraço da familia.
    Eroni,Jhonatan,Rosangêla,Vitória,Adelar Junior.

    ResponderExcluir
  6. A Terra, após as mudanças climáticas que sofrerá, deverá ser vivenciada de uma forma diferente. Sua nova humanidade terá uma cultura mais científica e espiritualizada, mas quem desejar viver essa nova Terra terá que, necessariamente, começar agora seu processo de mudança interior, passando a vivenciar através de uma atitude amorosa todos os atos de sua vida humanizada. Esse processo não é fácil e rápido, mas é a única e estreita porta que leva à verdadeira evolução do espírito. Quantos religiosos nós não encontramos por aí que vivem dando prato de comida ou dinheiro para pedintes, seja no vidro do carro ou no portão de casa, com o objetivo de libertar-se o mais rapidamente do incômodo? Qual foi a intenção do ato de dar comida ou dinheiro? Foi emanado amor pelo espírito humanizado que sentia fome, ou o desejo de se livrar do pedinte incomodo foi o que motivou o ato? É por isso que não adiante nada, no final do dia, em uma caderneta, anotar que fez uma “boa ação” naquele dia. Anotar que deu dinheiro no farol para uma criança suja pode ou não ser uma boa ação. Tudo dependerá da intenção. Ou seja, se o ato foi feito sem amor, não valeu de nada para quem o fez...

    ResponderExcluir
  7. Feliz dia dO amigO para o Senhor Marlon Santos. 20/julho/2010
    um grande abraçO.e um beijãO nO cOraçãO..
    O senhOr é grande amigO 10..
    Familia:Eroni,Jhonatan,Rosangêla,Vitória,Adelar Junior...

    ResponderExcluir
  8. Oi Marlon procurando uma resposta pessoa que me intriga achei está postagem não entendo muito de espiritualidade mas gostaria que se tiver alguma teoria me explicasse.Porque as pessoas que me fazem mal vira mendigo não sou espírita e no decorrer de meus 42 anos isso aconteceu quatro vezes isso me intriga.Meu email e "emsjsousa@gmail.com

    ResponderExcluir